5 thoughts on “A derrota

  1. A verdadeira derrota é outra.

    A eleição de 2018 era do Ciro, ou pelo menos, ele tinha possibilidades reais de ganhar no segundo turno.

    Os petistas sabiam que seriam derrotados no segundo turno com 100% de certeza e mesmo assim insistiram na candidatura “apenas para lacrar”.

    Como disse o Maquiavel: “não podendo eleger quem queriam deveriam ter evitado a eleição de quem não queriam”. Acho que os petistas são um bando de analfabetos funcionais então mesmo que leiam o livro inteiro não vão entender.

    A incompetência dos petistas me deixou simplesmente enojado. Pelo simples fato do Lula ter sido preso o partido ficou “sem cérebro”, isso é simplesmente inacreditável e inaceitável.

    O Ciro em 2018 não cometeu nenhum erro, tinha até um bom discurso. Em 2022 ele tirou a mascara de nacionalista e mostrou ser um entreguista.

    O Ciro em 2022 fica apenas “rodando bolsinha” para os gringos (think tanks), dizendo que é tão entreguista quanto o Bozo e os Petistas. Pior que isso é o identitarismo da “turma boa” que estudou em Harvard. O nacionalismo do Ciro sempre foi falso e não aguentaria a mais mínima pressão dos gringos.

    Ele me enganou em 2018, mas não vai me enganar em 2022. Realmente fiquei sem candidato, mesmo com uns 10 (dez) disputando as eleições… “Água, água por toda parte e nem uma gota para beber”…

  2. O Bozo e a turma deles realmente representam a volta da ditadura, pelo menos de um de seus piores aspectos.

    Muita gente fica idolatrando a ditadura, mas é bom lembrar que a principal herança maldita deles foi uma enorme divida, fruto da corrupção e da irresponsabilidade fiscal.

    Os marajás sugavam toda a riqueza do país, isso sem falar no desastre de 1988, quando os Marajás receberam um monte de privilégios (vitaliciedade, estabilidade e etc…).

    Embora o concurso público seja o melhor método, não é infalível. A justiça brasileira já decidiu que juízes e promotores BANDIDOS (que compraram gabaritos e etc…) possuem vitaliciedade. Isso sem falar na turma da lava jato que foi cooptada pelo imperialismo, causou DANO SISTÊMICO na economia nacional e não sofreu nenhuma punição.

    Eles tem privilégios aristocráticos (inclusive “pensões para filhas solteiras” é um privilegio aristocrático) e nenhuma responsabilidade (possuem a mesma “irresponsabilidade” que os monarcas).

    O Bozo ainda acabou com os concursos públicos, virou tudo DAS, “como era antigamente, nos ‘bons tempos’ da ditadura”.

    1. Outro detalhe é que antigamente (não apenas no período colonial, mas até mesmo durante a República) os juízes e promotores se envolviam em política pois seus cargos eram mesmo ruins e a única esperança deles era “ir para a Capital”, da província ou mesmo do país. Salários atrasados por meses, isso sem falar nas condições de vida ruins. Mesmo nos dias de hoje existe gente que desiste dos concursos públicos pois não aguenta sair da vida boa nos grandes centros urbanos e ir para o Acre.

      Nem vou falar nos corruptos que Portugal mandava para cá como degredados. O sujeito corrupto ao invés de ir para a cadeia ia para o Desterro, ser juiz em Curitiba (ancestrais do Tucano Moro).

      Hoje em dia eles querem entrar na política pois perceberam que os únicos com mais privilégios que eles são os políticos. “Eles não querem acabar com a mamata, querem é mamar”.

    2. Outro detalhe peculiar é que todos os “Bandidos do Centrão” apoiaram a ditadura e nunca ouve combate a corrupção naquele período. Os oligarcas (Sarney, Magalhães e etc…) compraram suas mansões em Miami durante a ditadura.

      A “lei 4320 de 1964″ foi a gota d’água” que provocou o golpe de 1964. Os “Bandidos do Centrão” nunca foram fãs da responsabilidade fiscal.

      O Marechal Hermes da Fonseca que foi presidente (1910 – 1914) e não conseguiu acabar com a corrupção, mas pelo menos tentou.

Deixe uma resposta