Joe Biden, New Left e o fim da humanidade

Anotem o nome desse lixo que é o Joe Biden. Ele é um possível responsável por termos a grande probabilidade de não existir Natal o ano que vem ou em ano algum.

Os idiotas da “New Left” de todo o Brasil sempre satanizam a figura de Donald Trump porque associavam a sua imagem a Bolsonaro, que virou um demônio não por essência mas pelo fato de haver destruído a indústria de boquinhas desses vagabundos que se autodenominam socialistas.

Eu e qualquer pessoa inteligente sabíamos que essa escumalha de covardes, essa escória dos democratas americanos são o que pior existe da existência contemporânea do nosso planeta.

Não é o partido republicano americano que é o pai e a mãe da Ku Klux Klan ou da perseguição covarde e sem tréguas aos negros americanos, isso foi obra dos democratas, inclusive o prefixo “demo–” deve significar algo.

Em que pese os republicanos não serem muito melhor que eles, afinal, são todos uvas da mesma cepa, temos que levar em consideração que republicanos sabem o limite a não ser ultrapassado.

Essa romantização da esquerdalha brasileira de associar partido democrata a um pseudocomunismo americano beira ao ridículo e só demonstra o quão ignorante e iletrada é a nata pensante da “New Left” brasileira, oriunda da nossa falecida universidade pública. Aliás, falecida porque foram eles mesmos que a mataram.

A eleição de Donald Trump parece que adiou o fim da humanidade por quatro anos, mas desta vez o ídolo maior das hordas georgesorianas e dos filhotes maconheiros sustentados por fundações sionistas finalmente nos levará ao fim dessa nossa era.

Sim, em uma guerra nuclear, são 80% da população do planeta que devem acabar em até cinco anos, o que é suficiente para exterminar todo o sistema complexo que criamos, a chamada tecnologia grupal ou sistema inteligente de grupo e nos jogar de novo nas cavernas e isso tem uma particularidade muito interessante que vou explicar logo a seguir.

Com o extermínio de 80% da população do planeta, os 20% que sobrarão sua imensa maioria serão os poderosos que puderam de alguma forma através de seus recursos sobreviver a uma hecatombe nuclear, ocorre que o grosso dessa população restante não passa através de convenções ou da própria estrutura de inteligência de grupo citada anteriormente de parasitas dos outros 80% que sucumbirão.

A humanidade não tem a mínima condição de subsistir pelo mesmo motivo que nem um carrapato sobrevive a morte da vaca, poucos carrapatos poderão se salvar e mesmo assim servirão apenas de elos para que gerações futuras de novos carrapatos encontrem outra vaca hospedeira.

Isso quer dizer que a vida na Terra não vai se extinguir. Todo poder nuclear que existe na terra não é nada contra a força da natureza. Considera-se a energia dissipada pelo meteoro que criou apenas o golfo do México tenha 100 mil vezes mais potência que todo o arsenal nuclear do planeta e todas as bombas e artefatos usados até hoje pela história conhecida da humanidade.

Nós deixaremos de existir, voltaremos para as cavernas, totalmente ignaros. Viver sem capacidade alguma de nada criar e passando para os nossos filhos retalhos do que foi o planeta na forma de lendas e assim sem querer criaremos uma nova civilização daqui a uns 10 mil anos, onde o ciclo de desenvolvimento se criará por mais dez mil anos.

Provavelmente ao fim desse novo ciclo de 10 mil anos de desenvolvimento o ser humano pensará mais uma vez que é maior que a natureza que é maior que tudo, que ele pode definir o que é sexo, o que é raça, o que é gênero e no meio disso aparecerão grupos oportunistas que, cercados de vagabundos identitários igual aos de hoje, que mergulhe essa nova geração em outra aventura distruidora e o ciclo se repetirá.

Ou você em algum momento achou mesmo que coletores ignorantes da beira do rio Nilo, que usavam como método contraconceptivo colocar fezes de animais dentro da vagina de suas esposas e não conheciam a roda construíram as pirâmides?

O resto eu conto depois…

Deixe uma resposta