Alemães consideram a Holanda um narco-estado

Por Defesanet.

A capa do Der Spiegel mostra a queijeira holandesa Frau Antje com um Kalashnikov na mão e um baseado entre os lábios. Ela carrega um queijo com cocaína escondida.

Feliz pequena Holanda – a imagem que os alemães têm de seus vizinhos tem pouco a ver com a realidade. Após o assassinato do jornalista Peter R. de Vries, ficou claro como as gangues de cocaína estrangularam a sociedade civil. Uma causa para sua ascensão: a política de drogas do País ”, escreve Der Spiegel.  “A história de um País que se rendeu voluntariamente às drogas”.
 
Os jornalistas do renomado semanário alemão pintam um quadro negro do narco-estado da Holanda, como um país ingênuo que foi o primeiro a tolerar o haxixe, da sensação de liberdade e felicidade da era hippie. A indústria da cannabis, na qual poucos viram qualquer dano, abriu o caminho para gangues de drogas implacáveis que também ameaçam o mundo superior, com o assassinato do advogado Derk Wiersum e do jornalista Peter R. de Vries como baixas trágicas. Até o primeiro-ministro Rutte seria ameaçado pelo crime organizado.

A crítica está de acordo com a de Roberto Saviano, o jornalista italiano e especialista em máfia que chamou a Holanda de um refúgio livre para o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, por trás de uma cortina de fumaça de retidão hipócrita e complacência.

A história de capa chega em um momento em que a formação do gabinete alemão está discutindo a legalização da cannabis. Os pretendidos parceiros da coalizão, Verdes e FDP, são a favor da legalização e regulamentação do consumo de haxixe. O SPD quer reconhecer o uso de cannabis como uma ‘realidade social’. Não está claro a seriedade com que esta questão está sendo discutida, visto que as negociações estão ocorrendo a portas fechadas.
 
Mas a história de Der Spiegel, na qual a formação não é mencionada, parece um longo conto moral em que a Alemanha é instada a não escolher o caminho dos Países Baixos. Em 2019, a polícia alemã investigou 161 casos de drogas na Holanda, muito mais do que em outros países. “A Holanda é o supermercado de drogas da Europa”, disse Frank Buckenhofer, chefe da polícia alfandegária. “Os profissionais de importação, cultivo, produção e distribuição de drogas estão na Holanda.” As drogas holandesas são tão boas e baratas quanto o queijo Frau Antje, diz Der Spiegel.

Rotas de tráfico para a Holanda.

Hoje a Holanda, amanhã a Alemanha?

Não queremos experimentar isso aqui “, disse Thomas Jungbluth, da polícia de Düsseldorf. “Não quero situações holandesas na Alemanha”, disse Daniella Ludwig, especialista em drogas do governo alemão. “Ainda podemos estar à frente da onda”, disse Ludwig, desde que a luta contra o crime organizado de drogas seja “prioridade absoluta”.

Ou já é tarde demais? A reportagem termina com o chefe da polícia de Amsterdã Cees, que por motivos de segurança não quer seu sobrenome no jornal. Ele duvida que a Alemanha consiga manter as ‘situações holandesas’ fora da porta: “Talvez a Alemanha tenha sorte no momento e nenhum tipo como Taghi. Mas acho que será tão ruim para você.”

“Queijo, cocaína e assassinatos: como a Holanda se tornou um paraíso mafioso através de uma política frouxa de drogas”, diz a revista alemã na capa.

Comentário JORNAL PURO SANGUE: ainda que a matéria da Der Spiegel concentre-se no tráfico de entorpecentes na condição de receptora de cocaína e outras drogas da América Latina, principalmente, cabe lembrar ao leitor brasileiro que a Holanda é uma grande produtora de drogas sintéticas, cujo consumo mais avança em relação às drogas tradicionais (maconha, cocaína, principalmente), sobretudo entre os mais jovens. Boa parte das apreensões de drogas sintéticas ocorridas no Brasil provém desse país europeu.

Deixe uma resposta