Quem semeia ventos colhe tempestades…

Por Valentin Vasilescu.

Os Estados Unidos retiraram-se unilateralmente de vários tratados de limitação de armas nucleares assinados com a Rússia. Foi um erro grosseiro.

O jornal inglês “Financial Times” publicou um artigo afirmando que em agosto a China tinha testado uma arma hipersônica similar ao míssil hipersônico russo Avangard ´[1]

“Avanço chinês em armas hipersônicas abala inteligência estadunidense”, proclama o influente jornal inglês.

O planador espacial terá sido colocado em órbita à volta da Terra com um foguete portador Longa Marcha. Em seguida ele freou para reentrar na atmosfera e efetuar manobras corretivas a fim de atingir o alvo situado no polígono de tiro.

O planador espacial chinês pode atingir um alvo situado em qualquer sítio do globo, seja ele qual for. Devido à sua elevada velocidade, o tempo de reação quando ele se encontra ao alcance das armas de defesa AA é muitíssimo curto e a probabilidade que seja interceptado é próxima de zero.

O escudo de antimísseis norte-americano é incapaz de fazer face a mísseis hipersônicos que modificam seus parâmetros de trajetória, quer dizer que manobram. Além de estarem completamente desarmados face a estes mísseis hipersônicos, os Estados Unidos não dispõem ainda de tais armas.

No caso de norte-americanos e russos, regra geral, os 3 ou 4 primeiros ensaios de novas armas complexas fracassam. Os chineses foram bem sucedidos logo à primeira.

Neste momento, muitas questões se poderão levantar, nomeadamente esta: há alguma relação entre a visita da Sra. Nuland a Moscou e o teste chinês?

Publicado em Rede Voltaire em 19.10.2021.

Tradução JORNAL PURO SANGUE

[1] “China’s leap in hypersonic missile technology shakes US intellligence”, Demetri Sevastopoulo & Kathlin Hille, Financial Times, October 18, 2021.

Deixe uma resposta