Está emergindo o tão falado Eixo Oriental entre a Rússia, a China e o Irã?

Por Andrew Korybko.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Iraniano, Saeed Khatibzadeh, anunciou na segunda-feira que seu país pretende assinar um acordo de parceria estratégica com a Rússia. Em suas palavras:

“As disposições iniciais deste documento, intitulado Acordo Global de Cooperação entre o Irã e a Rússia, foram concluídas. Estamos em vias de finalizar diversas cláusulas do documento e o enviaremos a Moscou. Nos últimos anos, tornou-se necessário melhorar as relações entre o Irã e a Rússia e concentrar-se em parcerias estratégicas. Entre o Irã, a China e a Rússia, o eixo oriental está emergindo”.

Este seria um desenvolvimento mutuamente benéfico, se isso acontecesse, mas sua declaração de um “eixo oriental” entre o Irã, a China e a Rússia é indiscutivelmente uma descrição incorreta.

Todos os três países são membros da Organização de Cooperação de Xangai (OCX) e se comprometeram a facilitar a emergente Ordem Mundial Multipolar. Eles têm posições muito semelhantes sobre questões-chave, e a Rússia e a China geralmente têm apoiado o Irã na maioria das questões, exceto quando se trata dos supostos planos da República Islâmica para construir armas nucleares. Mesmo assim, apesar de concordarem com as sanções do CSNU contra o país no passado, estas duas Grandes Potências estão contra as medidas unilaterais dos EUA e esperam que a estes renegociem com sucesso o Plano de Ação Conjunto Compreensivo (JCPOA) com o Irã no futuro próximo.

Na superfície, portanto, parece que estas três estão na maioria das vezes em sincronia entre si, mas esta observação não significa que elas constituam um “eixo oriental”. Tal terminologia evoca de forma provocatória a mentalidade de bloco da velha era da Guerra Fria, contra a qual a Rússia e a China são ambas oficialmente contra. Nenhum desses países tem obrigações mútuas de defesa em relação ao outro e às vezes discordam em questões sensíveis. Por exemplo, a China e o Irã foram contra a revogação do artigo 370 pela Índia em agosto de 2019, enquanto a Rússia manteve-se firmemente ao lado de seu parceiro estratégico especial e privilegiado o tempo todo.

Outro ponto de discórdia entre eles é o Talibã. O Irã é cético em relação ao grupo e seus motivos, enquanto a Rússia e a China são comparativamente muito mais abertos. Além disso, enquanto a Rússia e o Irã são aliados antiterroristas na Síria, eles diferem de sua visão pós-conflito preferida para a República Árabe. Moscou parece favorecer um compromisso político entre Damasco e os membros internacionalmente legitimados da oposição armada que participam do processo de paz Astana, enquanto Teerã apoia plenamente a relutância de seu aliado em avançar nesse cenário.

A outra questão polêmica que merece atenção é a “diplomacia militar” russa de armar os lados rivais com a intenção de manter o equilíbrio de poder entre eles e assim, espera-se, encorajar uma solução política para suas disputas. Isto contrasta com a versão americana da “diplomacia militar”, que visa perturbar o equilíbrio de poder em favor de seu aliado regional, a fim de encorajá-los a provocar mais agressivamente seu oponente. A Rússia continua a armar os rivais indianos e vietnamitas da China. Ela também tem uma relação de armamento profundamente estabelecida com o rival do Irã no Azerbaijão e incipientes com seus rivais sauditas e turcos.

Esses fatos “politicamente inconvenientes” jogam água fria na alegação de que um “eixo oriental” está surgindo entre esses três países, mas também não devem ser interpretados como significando que a cooperação multilateral significativa entre eles é impossível. Pelo contrário, tudo isso apenas sinaliza que há limites muito reais para até onde eles podem ir, mas ainda há muito potencial para eles explorarem. Todos os três têm interesses comuns em fazer avançar a causa comum da conectividade eurasiática, para a qual o Irã pode desempenhar um papel central devido à sua localização geoestratégica.

Embora as recentes tensões com o Azerbaijão tenham levantado questões sobre o futuro do Corredor de Transporte Norte-Sul (NSTC) entre aquele país, Irã, Índia e Rússia, o vetor geral desta rota ainda pode ser alcançado através do transporte marítimo transcaspiano se houver vontade política e se estiver determinado a ser economicamente competitivo. No que diz respeito à Iniciativa de Cinturas e Estradas da China (Belt and Road Initiative, BRI), prevê-se que o Irã se torne uma potência produtiva no futuro, devido aos investimentos no valor de US$ 400 bilhões prometidos por Pequim ao longo dos próximos 25 anos. Os dois países também podem se conectar via Afeganistão-Tajiquistão, Ásia Central, e/ou Paquistão.

Além disso, o Irã pode alavancar sua futura parceria estratégica com a Rússia para receber mais armas de Moscou como parte da “diplomacia militar” do Kremlin. Isto pode ajudar a melhorar sua posição regional em relação a seus rivais, mantendo o equilíbrio de poder entre eles. A Rússia também é conhecida mundialmente por sua experiência na extração de recursos e indústrias ferroviárias, de modo que suas empresas associadas podem se engajar em uma “competição amigável” com suas contrapartes chinesas para que o Irã receba os melhores negócios possíveis de seus parceiros estratégicos mutuamente complementares.

Voltando ao tópico da descrição polêmica do Irã sobre sua relação com esses dois países como um “eixo oriental”, serve aos interesses da administração da percepção da República Islâmica para retratar esses laços como tais. Teerã quer sinalizar a seus rivais, especialmente o eixo EUA-Grupo do Golfo, que não está “isolado”, mas tem muito apoio importante das grandes potências influentes. É claro que nenhum desses três provavelmente levará suas reivindicações a sério, uma vez que eles sabem melhor do que considerar esses três aliados no sentido tradicional, mas, no entanto, eles provavelmente levarão em conta a confiança do Irã a esse respeito.

Suas populações, entretanto, podem ser mais influenciadas por esta dramática, embora enganosa, alegação. O que é tão curioso é que tanto o Irã quanto seus opositores têm interesse em apresentar as relações da República Islâmica com a Rússia e a China de tal forma. O Irã pretende que elas sejam retratadas como uma aliança defensiva em antecipação aos objetivos multipolares compartilhados, enquanto alguns os opositores do Irã têm um interesse próprio em retratá-las erroneamente como uma aliança ofensiva e desestabilizadora que ameaça a paz regional. É por causa de como este termo pode ser manipulado pelos anti-iranianos que a Rússia e a China se sentem desconfortáveis com ele.

Embora essas duas grandes potências tenham seus próprios problemas com os EUA, elas esperam mantê-los o mais manejáveis possível. Elas também não têm nada contra “Israel” ou contra o Grupo do Golfo. Pelo contrário, elas estão expandindo de forma abrangente suas relações com ambas como parte de suas estratégias pragmáticas e grandiosas. Esse fato pode ser “politicamente inconveniente” para alguns no Irã, bem como para seus apoiadores estrangeiros, daí uma das motivações parciais de descrever mal os laços daquele país com aqueles dois, a fim de distrair de suas estreitas relações com seus rivais.

Em resumo, é indiscutivelmente impreciso descrever as relações entre a Rússia, a China e o Irã como constituindo um “Eixo Oriental”. Estes três países gozam de relações estreitas e trabalham em conjunto para o objetivo de promover a multipolaridade, mas algumas das diferenças entre eles limitam sua cooperação multilateral. No entanto, há alguns que têm interesse em apresentar suas relações como tais, embora devam estar cientes do golpe narrativo que isso poderia criar e da pressão que poderia exercer sobre a Rússia e a China para esclarecer publicamente suas relações com o Irã de uma forma que poderia contradizer desconfortavelmente os representantes daquele país.

Publicado em One World em 13.10.2021.

Tradução JORNAL PURO SANGUE.

Deixe uma resposta