EUA por trás dos Pandora Papers

Por Vicky Peláez

Compreender o que está diante de nossos olhos requer esforço constante” (George Orwell, 1903-1950).

O Pandora Papers, que expõe milhares de políticos e empresários e que abalou a opinião pública internacional com seu tsunami de informações, poderia na verdade ser uma operação bem planejada para distrair a população mundial dos reais problemas graves e perigosos que afetam a economia e paz mundial.

A crise interna que os EUA ainda não estão superando e seu trauma da derrota no Afeganistão são os mais notáveis, assim como o agravamento das relações norte-americanas com a China e a Rússia e o aumento drástico da insegurança energética que vive a União Europeia.

Por que nenhum ianque está aparecendo?

Segundo informações da mídia globalizada, o Pandora Papers é um projeto de investigação jornalística do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) em parceria com o Projeto de Denúncia de Crime Organizado e Corrupção (OCCRP). O ICIJ obteve mais de 11,9 milhões de arquivos de 14 estudos internacionais especializados em “manufatura” offshore (paraísos fiscais), com a colaboração de mais de 600 jornalistas de 150 veículos de comunicação que investigaram sob a direção do ICIJ por dois anos difíceis de localizar paraísos fiscais.

Até agora ninguém sabe como o ICIJ e o OCCRP conseguiram penetrar nos 14 estúdios internacionais e extrair seus arquivos bem guardados. Também não se sabe se alguns dos documentos foram retirados antes da publicação ou não e ninguém garante que não haja nenhum material “manufaturado” entre esses dados.

Seja como for, o arquivo divulgado pelo The Washington Post, Le Monde, BBC Panorama e The Guardian contém nomes de 956 empresas em paraísos fiscais, 336 políticos de 90 países, 14 atuais chefes de estado, 11 ex-presidentes, quatro atuais primos ministros, 12 ex-primeiro-ministro, 19 ministros, 10 legisladores, cinco banqueiros, 66 empresários etc.

O engraçado é que entre os políticos não há americano, porém, há 38 ucranianos e 19 russos. Também não são mencionados os 400 americanos mais ricos do mundo que, em meio a uma pandemia, aumentaram sua riqueza em 40 por cento, atingindo sua fortuna em 2020 cerca de 4,5 milhões de dólares.

Acontece que, como explicou o jornalista canadense-americano David Brooks, “muitos desses mesmos indivíduos e suas empresas pagaram legalmente pouco ou nenhum imposto federal, a taxas bem abaixo da grande maioria dos contribuintes, na medida em que não exigem o serviços para esconder suas fortunas do tesouro em contas offshore e entidades como as reveladas pelos Pandora Papers ”.

Segundo a agência de notícias independente norte-americana ProPublica, em 2007 Jeff Bezos (sua fortuna é de 201 bilhões de dólares) em 2007 e 2011 não pagou um centavo em impostos federais, o mesmo fez Ellon Musk em 2018 (sua fortuna é de 190.500 milhões de dólares ) Nos últimos anos, esse exemplo foi seguido por Michael Bloomberg e George Soros. A ProPublica divulgou em 8 de junho de 2020 que Jeff Bezos devolveu 0,98% de seu lucro ao tesouro em 2019, Bloomberg 1,30% Warren Buffett 0,10%. Chuck Collins, um especialista em desigualdade econômica, descreve em seu livro Wealth Hoarders: How Billionaires Spend Millions to Hide Trillions (2021), toda a “indústria de defesa dos ricos” para esconder mais de 20 trilhões de sua riqueza.

Como eles fizeram sua “pesquisa”?

Tudo indica que o ICIJ e o OCCRP não estão interessados no que esses “acumuladores” de riqueza estão fazendo porque, na realidade, essas duas ONGs fazem parte do sistema que governa os Estados Unidos. Para cerca de 600 jornalistas pesquisarem corrupção em escala global, é preciso muito dinheiro para obter as informações e um centro para organizar esse trabalho e processar as informações obtidas.

O Projeto de Relatórios de Crime Organizado e Corrupção (OCCRP), criado com a ajuda do Departamento de Estado dos EUA em 2006, é financiado pela USAID, que desde 1961 tem atuado como uma fachada para a CIA para operações secretas, pelo Departamento de Estado, pela Fundação Ford, Fundação Soros Open Society, Fundação Frittord, National Endowment for Democracy e muitas outras fundações e organizações. (Moon of Alabama, 4 de outubro de 2021).

Ao mesmo tempo, o Centro Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), fundado em 1997, recebe dinheiro da Open Society Foundation (Soros), da Adessium Foundation, da Omidyar Network , do NED, da Ford Foundation etc.

Desde 2013, o ICIJ em colaboração com o OCCRP, inspirado no Wikileaks Cablegate (2010), iniciou a divulgação de clientes e seus cúmplices de uma economia subterrânea internacional que prospera em paraísos fiscais. Assim, em 2013 houve Offshore Leaks, Luxemburg Leaks (2014), Swiss Leaks (2015), Bahama Leaks (2016), Panama Papers (2016), Paradise Papers (2017), FinCen Files relacionados a Hong Kong e, finalmente, o Pandora Papers (2021).

Sem dúvida, todas as divulgações dessas duas ONGs sempre tiveram um caráter seletivo que sugeriria alguma participação ou talvez direcionamento de alguns órgãos do governo norte-americano.

O editor do jornal chinês Global Times, Hu Xijin, disse: “Meu instinto me diz que por trás das revelações dos Pandora Papers, os serviços de inteligência dos Estados Unidos e do Ocidente estão envolvidos. Estão criando novos instrumentos de intervenção nos países em desenvolvimento ”.

E este proeminente jornalista chinês não está longe da verdade. Em 3 de junho deste ano, a Casa Branca realizou uma teleconferência com a participação de altos funcionários da Administração sobre a luta contra a corrupção ( WH.Gov. Press Briefings, Background Press Call por Altos Funcionários da Administração sobre a Luta contra a Corrupção ). Nessa reunião, foi discutida a agenda anticorrupção do presidente Joe Biden delineada em um Memorando de Estudo de Segurança Nacional (NSSM-1).

Segundo este documento, “a luta contra a corrupção representa um interesse central para a segurança nacional, do qual devem participar o Diretor Nacional de Inteligência dos Estados Unidos e a CIA. O dever da comunidade de inteligência é expor casos de corrupção no exterior denunciando e envergonhando funcionários corruptos ”. Também falaram do apoio que o governo dos Estados Unidos sempre deu às Organizações Não Governamentais (ONGs) e aos jornalistas investigativos. Acontece que a assistência ao OCCRP e ao ICIJ em seus trabalhos de pesquisa foi promovida pelo Governo dos Estados Unidos e do Reino Unido.

Nenhum dano para a economia subterrânea

Para realizar este trabalho de pesquisa, o modelo do Wikileaks foi copiado. Em 2018, a administração Trump, por meio de uma ordem secreta, concedeu à CIA mais poderes para lançar ataques cibernéticos encobertos sem autorização da Casa Branca contra países adversários e aqueles que tentam promover sua própria agenda nacional sem o consentimento de Washington.

Isso não envolve apenas operações hump-and-dump (invasão de computadores, redes ou sistemas de computador ou seus dados e disseminação dos dados roubados), mas também a condução de operações cibernéticas agressivas que danificam a infraestrutura crítica dos países visados pela CIA. (Yahoo News, 15 de julho de 2020). Além disso, a CIA está autorizada a realizar operações cibernéticas encobertas contra organizações de mídia, instituições religiosas, empresas e instituições de caridade em qualquer país do mundo.

Enquanto isso, apesar de todas as revelações que o OCCRP e o ICIJ fizeram desde 2013 sobre os paraísos fiscais, muito pouco mudou e a economia subterrânea internacional continua a funcionar. Após o surgimento dos Swiss Leaks, Luxemburg Leaks, Bahama Leaks ou os Panama Papers, esses offshore começaram a declinar lentamente, sem deixar de existir.

Ao mesmo tempo, os paraísos fiscais da América do Norte em Dakota do Sul (360 bilhões de dólares), Flórida, Delaware, Texas, Alasca e Nevada começaram a ganhar força sem que o tesouro norte-americano prestasse atenção a este fato como um sinal. Está implícito para a elite internacional que o lugar mais seguro para dinheiro sujo são os Estados Unidos.

Também à sua disposição está o maior escritório de advocacia dos Estados Unidos, Baker McKenzie, com 77 escritórios em 46 países e 6 mil advogados, sendo um dos mais sofisticados especialistas do moderno sistema offshore. Segundo a Pandora Papers, esta empresa participou na criação de mais de 440 empresas offshore. (The Pandora Papers, 4 de outubro de 2021).

Também é surpreendente que, na lista de atuais políticos, chefes de Estado, primeiros-ministros e ministros expostos, não haja americano, britânico ou canadense. No entanto, abundam personalidades que pertencem a países em desenvolvimento, bem como aqueles que caíram em desgraça com o Ocidente e, claro, vários conhecidos do presidente Vladimir Putin são identificados junto com assessores do ex-presidente dos EUA Donald Trump.

Na realidade, todas essas revelações têm como objetivo aumentar o domínio geopolítico dos Estados Unidos e sinalizar a todos os líderes mundiais que o “olho do Big Brother” vê tudo e não perdoa nada. O que Washington nunca reconhecerá é que a corrupção sempre começa na “cabeça”.

Publicado em Sputnik World.

Deixe uma resposta