Por trás da “guerra cognitiva” da OTAN: a “batalha por seu cérebro” travada pelos militares ocidentais

Por Ben Norton

A OTAN está desenvolvendo novas formas de guerra para travar uma “batalha pelo cérebro”, como disse a aliança militar.

O cartel militar da OTAN, liderado pelos EUA, testou novos modos de guerra híbrida contra seus adversários autodeclarados, incluindo guerra econômica, guerra cibernética, guerra da informação e guerra psicológica.

Agora, a OTAN está desenvolvendo um tipo de combate inteiramente novo, como guerra cognitiva. Descrito como o “armamento das ciências do cérebro”, o novo método envolve “invadir o indivíduo” explorando “as vulnerabilidades do cérebro humano” a fim de implementar uma “engenharia social” mais sofisticada.

Até recentemente, a OTAN tinha dividido a guerra em cinco domínios operacionais diferentes: ar, terra, mar, espaço e cibernética. Mas com seu desenvolvimento de estratégias de guerra cognitiva, a aliança militar está discutindo um novo, sexto nível: o “domínio humano”.

Um estudo patrocinado pela OTAN em 2020 sobre esta nova forma de guerra explicou claramente: “Enquanto as ações tomadas nos cinco domínios são executadas a fim de ter um efeito no domínio humano, o objetivo da guerra cognitiva é fazer de todos uma arma”.

“O cérebro será o campo de batalha do século 21”, sublinhou o relatório. “Os humanos são o domínio contestado”, e “conflitos futuros provavelmente ocorrerão entre as pessoas em primeiro lugar digitalmente e depois fisicamente nas proximidades de pólos de poder político e econômico”.

Embora o estudo encomendado pela OTAN tenha insistido que grande parte de suas pesquisas sobre a guerra cognitiva é concebida para fins defensivos, também reconheceu que a aliança militar está desenvolvendo táticas ofensivas,com esta afirmativa: “O humano é, muitas vezes, a principal vulnerabilidade e deve ser reconhecido a fim de proteger o capital humano da OTAN, mas também para poder se beneficiar das vulnerabilidades de nossos adversários”.

Em uma revelação arrepiante, o relatório diz explicitamente que “o objetivo da Guerra Cognitiva é atacar as sociedades e não apenas os militares”.

Com populações civis inteiras na mira da OTAN, o relatório enfatiza que os militares ocidentais devem trabalhar mais estreitamente com a academia para armar as ciências sociais e humanas e ajudar a aliança a desenvolver suas capacidades de guerra cognitiva.

O estudo descreveu este fenômeno como “a militarização da ciência do cérebro”. Mas parece claro que o desenvolvimento da guerra cognitiva levará a uma militarização de todos os aspectos da sociedade humana e da psicologia, desde a mais íntima das relações sociais até a própria mente.

Tal militarização abrangente da sociedade se reflete no tom paranoico do relatório patrocinado pela OTAN, que alertou sobre “uma quinta coluna embutida, onde todos, desconhecidos dele ou dela, estão se comportando de acordo com os planos de um de nossos concorrentes”. O estudo deixa claro que esses “concorrentes”, que supostamente exploram a consciência dos dissidentes ocidentais, são a China e a Rússia.

Em outras palavras, este documento mostra que os números do cartel militar da OTAN veem cada vez mais sua própria população doméstica como uma ameaça, temendo que os civis sejam potenciais células adormecidas chinesas ou russas, “quintas colunas” que desafiam a estabilidade das “democracias liberais ocidentais”.

O desenvolvimento da OTAN de novas formas de guerra híbrida vem em um momento em que as campanhas militares dos Estados membros estão visando as populações domésticas em um nível sem precedentes.

O Ottawa Times informou em setembro deste ano que o Comando de Operações Conjuntas do exército canadense aproveitou a pandemia de Covid-19 para travar uma guerra de informação contra sua própria população, testando táticas de propaganda contra civis canadenses.

Relatórios internos patrocinados pela OTAN sugerem que esta divulgação está apenas arranhando a superfície de uma onda de novas técnicas de guerra não convencionais que as forças armadas ocidentais estão empregando em todo o mundo.

O Canadá hospeda o “Desafio de Inovação da OTAN” sobre a guerra cognitiva

Duas vezes por ano, a OTAN realiza um evento de forma em “Desafio à Inovação”. Essas campanhas – uma sediada na primavera e outra no outono, por países membros alternados – convocam empresas privadas, organizações e pesquisadores para ajudar a desenvolver novas táticas e tecnologias para a aliança militar.

Os desafios refletem a influência predominante da ideologia neoliberal dentro da OTAN, à medida que os participantes mobilizam o mercado livre, parcerias público-privadas e a promessa de prêmios em dinheiro para fazer avançar a agenda do complexo militar-industrial.

O Desafio de Inovação de Outono de 2021 da OTAN é organizado pelo Canadá, e se intitula “A ameaça invisível: Ferramentas para combater a guerra cognitiva”.

“A guerra cognitiva procura mudar não apenas o que as pessoas pensam, mas também como agem”, escreveu o governo canadense em sua declaração oficial sobre o desafio. “Ataques contra o domínio cognitivo envolvem a integração de capacidades cibernéticas, desinformação/informação, psicológicas e de engenharia social”.

O comunicado de imprensa de Ottawa continuou: “A guerra cognitiva posiciona a mente como um espaço de batalha. Seu objetivo é semear dissonâncias, instigar narrativas conflitantes, polarizar opiniões e radicalizar grupos. A guerra cognitiva pode motivar as pessoas a agir de formas que podem perturbar ou fragmentar uma sociedade que de outra forma seria coesa”.

Oficiais militares canadenses apoiados pela OTAN discutem a guerra cognitiva em um painel

Um grupo de defesa denominado Associação da OTAN do Canadá se mobilizou para apoiar este desafio de inovação, trabalhando em estreita colaboração com empreiteiras militares para atrair o setor privado a investir em mais pesquisas em nome da OTAN – e em seus próprios resultados.

Embora a Associação Canadense da OTAN (NAOC) seja tecnicamente uma ONG independente, sua missão é promover a OTAN, e a organização se orgulha em seu site, “A NAOC tem fortes laços com o Governo do Canadá, incluindo os Assuntos Globais do Canadá e o Departamento de Defesa Nacional”.

Como parte de seus esforços para promover o Desafio de Inovação da OTAN no Canadá, o NAOC realizou um painel de discussão sobre a guerra cognitiva em 5 de outubro.

O pesquisador que escreveu o estudo definitivo sobre guerra cognitiva patrocinado pela OTAN em 2020, François du Cluzel, participou do evento, ao lado de oficiais militares canadenses apoiados pela OTAN.

Pesquisador da OTAN descreve a guerra cognitiva como “formas de prejudicar o cérebro”.

O painel de 5 de outubro começou com François du Cluzel, um ex-militar francês que em 2013 ajudou a criar o Centro de Inovação da OTAN (iHub), que desde então tem gerenciado a partir de sua base em Norfolk, Virgínia.

Embora o iHub insista em seu website, por razões legais, que as “opiniões expressas sobre esta plataforma não constituem pontos de vista da OTAN ou de qualquer outra organização”, a organização é patrocinada pelo Comando Aliado de Transformação (ACT), descrito como “um dos dois Comandos Estratégicos à frente da estrutura de comando militar da OTAN”.

O Centro de Inovação, portanto, atua como uma espécie de centro de pesquisa ou think tank interno da OTAN. Sua pesquisa não é necessariamente uma política oficial da OTAN, mas é diretamente apoiada e supervisionada pela OTAN.

Em 2020, o Comandante Supremo Aliado de Transformação da OTAN (SACT) encarregou o Du Cluzel, como gerente do iHub, de conduzir um estudo de seis meses sobre a guerra cognitiva.

Du Cluzel resumiu suas pesquisas no painel em outubro deste ano. Ele iniciou suas observações apontando que a guerra cognitiva “neste momento é um dos tópicos mais quentes para a OTAN” e “tornou-se um termo recorrente em terminologia militar nos últimos anos”.

Embora francês, Du Cluzel enfatizou que a estratégia de guerra cognitiva “está sendo desenvolvida atualmente pelo meu comando aqui em Norfolk, EUA”.

O gerente do Centro de Inovação da OTAN falou com uma apresentação em PowerPoint, e abriu com um slide provocador que descreveu a guerra cognitiva como “Uma batalha para o cérebro”.

“A guerra cognitiva é um novo conceito que começa na esfera da informação, que é uma espécie de guerra híbrida”, disse du Cluzel.

“Ela começa com a hiperconectividade. Todo mundo tem um telefone celular”, continuou ele. “tudo começa com a informação porque a informação é, se me permitem dizer, o combustível da guerra cognitiva. Mas ela vai muito além da simples informação, que é uma operação autônoma – a guerra da informação é uma operação autônoma”.

A guerra cognitiva se sobrepõe às corporações de Big Tech e à vigilância em massa, porque “trata-se de aproveitar os grandes dados”, explicou Du Cluzel. “Nós produzimos dados em todos os lugares que vamos. A cada minuto, a cada segundo que vamos, nós vamos online. E isto é extremamente fácil de aproveitar esses dados para melhor conhecê-los e usar esse conhecimento para mudar a maneira como você pensa”.

Naturalmente, o pesquisador da OTAN afirmou que os “adversários” estrangeiros são os supostos agressores que empregam a guerra cognitiva. Mas, ao mesmo tempo, ele deixou claro que a aliança militar ocidental está desenvolvendo suas próprias táticas.

Du Cluzel definiu a guerra cognitiva como a “arte de usar tecnologias para alterar a cognição de alvos humanos”.

Essas tecnologias, ele observou, incorporam os campos da NBIC – nanotecnologia, biotecnologia, tecnologia da informação, e ciência cognitiva. Tudo junto, “faz uma espécie de coquetel muito perigoso que pode manipular ainda mais o cérebro”, disse ele.

“A guerra cognitiva é um novo conceito que começa na esfera da informação, que é uma espécie de guerra híbrida”, disse du Cluzel.

“Ela começa com a hiperconectividade. Todo mundo tem um telefone celular”, continuou ele. “Ele começa com a informação porque a informação é, se me permitem dizer, o combustível da guerra cognitiva”. Mas ela vai muito além da simples informação, que é uma operação autônoma – a guerra da informação é uma operação autônoma”.

A guerra cognitiva se sobrepõe às corporações de Big Tech e à vigilância em massa, porque “trata-se de aproveitar os grandes dados”, explicou du Cluzel. “Nós produzimos dados em todos os lugares que vamos. A cada minuto, a cada segundo que vamos, nós vamos online. E isto é extremamente fácil de aproveitar esses dados para melhor conhecê-lo e usar esse conhecimento para mudar a maneira como você pensa”.

Naturalmente, o pesquisador da OTAN afirmou que os “adversários” estrangeiros são os supostos agressores que empregam a guerra cognitiva. Mas, ao mesmo tempo, ele deixou claro que a aliança militar ocidental está desenvolvendo suas próprias táticas.

Du Cluzel definiu a guerra cognitiva como a “arte de usar tecnologias para alterar a cognição de alvos humanos”.

Essas tecnologias, ele observou, incorporam os campos da NBIC – nanotecnologia, biotecnologia, tecnologia da informação, e ciência cognitiva. Tudo junto, “faz uma espécie de coquetel muito perigoso que pode manipular ainda mais o cérebro”, disse ele.

Os alvos humanos da guerra cognitiva da OTAN

Du Cluzel continuou a explicar que o novo método exótico de ataque “vai muito além” da guerra da informação ou das operações psicológicas (psyops).

“A guerra cognitiva não é apenas uma luta contra o que pensamos, mas é antes uma luta contra a maneira como pensamos, se conseguirmos mudar a maneira como as pessoas pensam”, disse ele. “É muito mais poderosa e vai muito além da informação [guerra] e das operações psicológicas”.

De Cluzel continuou: “É crucial entender que é um jogo sobre nosso conhecimento, sobre a forma como nosso cérebro processa a informação e a transforma em conhecimento, em vez de apenas um jogo sobre a informação ou sobre os aspectos psicológicos de nosso cérebro”. Não é apenas uma ação contra o que pensamos, mas também uma ação contra a maneira como pensamos, a maneira como processamos a informação e a transformamos em conhecimento”.

“Em outras palavras, a guerra cognitiva não é apenas mais uma palavra, mais um nome para a guerra da informação. É uma guerra contra nosso processador individual, nosso cérebro”.

O pesquisador da OTAN enfatizou que “isto é extremamente importante para nós no setor militar”, porque “tem o potencial, desenvolvendo novas armas e formas de prejudicar o cérebro, tem o potencial de envolver a neurociência e a tecnologia em muitas, muitas abordagens diferentes para influenciar a ecologia humana… porque todos vocês sabem que é muito fácil transformar uma tecnologia civil em uma tecnologia militar”.

Publicado em The Gray Zone em 08.10.2021.

Tradução JORNAL PURO SANGUE.

Deixe uma resposta