Guerras globais pelo gás: a diversão só começou!

O preço do gás natural na Europa acaba de ultrapassar o nível psicologicamente importante de US$ 1000 por mil metros cúbicos, ou um dólar por metro cúbico.

Isto já teve alguns resultados significativos em toda a Europa. No Reino Unido, as fábricas de fertilizantes não podem operar a tais preços e fecharam.

Isto causará, no devido tempo, a inflação dos preços dos alimentos, mas o efeito imediato é privar os consumidores de carne embalada e cerveja devido à escassez de gelo seco que é um subproduto da produção de fertilizantes.

Enquanto isso, do outro lado do que resta da União Européia, nos Estados Bálticos os preços da eletricidade são agora 10 vezes mais altos do que apenas do outro lado da fronteira na Rússia. É claro que eles são bem-vindos para comprar eletricidade barata e abundante da Rússia, mas isso tem que vir via Belarus e Lituânia e os lituanos destruíram estrategicamente as relações com Belarus ao abrigar o fugitivo Tikhanovskaya, a rainha das costeletas que é uma espécie de Juan Guaidó bielorrusso.

Do outro lado da Bielorússia está a Ucrânia, onde as coisas são ainda mais divertidas.

Na primavera de 2019, a Ucrânia declinou a oferta graciosa da Rússia de vender gás a US$ 240-260 por mil cubos (um quarto do preço à vista atual) e, em vez disso, optou por comprá-lo no mercado à vista. O resultado é que a Ucrânia precisa de 13 bilhões de cubos de gás em armazenamento para passar a estação de aquecimento, mas tem menos de 5.

Mas ela sempre pode comprar o que precisa no mercado à vista, certo? Errado! A Ucrânia está falida e tem orçamento zero para este fim.

Felizmente, ainda pode comprar eletricidade barata da Rússia – pelo menos até que os nacionalistas ucranianos decidam explodir as linhas de transmissão para a Rússia, como fizeram com as da Crimeia russa há algum tempo atrás, causando escassez de energia e forçando os russos a construir uma ponte de energia do continente para ela, num processo que levou cerca de um ano.

Mas ao contrário da Ucrânia, que está falida, os países dentro da UE não precisam congelar porque podem simplesmente comprar o gás que precisam no mercado, na forma de gás natural liquefeito, certo?

Errado! O mercado de GNL é global, e os concorrentes do leste asiático – China, Coréia do Sul e Japão – podem sempre superar a oferta disponível. Estes três países têm apresentado déficits estruturais com os Estados Unidos há décadas e acumularam um grande estoque de dívida federal americana.

Com os EUA agora perto da falência nacional e/ou provocando a hiperinflação do dólar, permitindo que sua dívida nacional ultrapasse o limite de 30 trilhões de dólares, eles estão ansiosos para descarregar o máximo possível desse estoque, trocando-o por commodities necessárias, como o gás natural.

Eles não se importam muito com o custo do gás porque o preço final da dívida dos EUA será zero e algo é sempre melhor do que nada. Assim, há uma boa chance de que a UE esteja tremendo no escuro neste inverno, em solidariedade com a Ucrânia.

Mas as coisas estão muito melhores nos Estados Unidos que, afinal, é um exportador orgulhoso de gás natural, graças ao que resta de sua indústria de fracionamento (exploração por fracking).

Errado novamente! O Industrial Energy Consumers of America (IECA), um grupo de lobby da indústria química e alimentícia, acaba de exigir que o Departamento de Energia dos Estados Unidos imponha limites às exportações de GNL. Caso contrário, eles dizem, os preços muito altos do gás natural tornarão inúmeras empresas americanas não competitivas e as forçarão a fechar as portas.

Os preços já subiram 41% ao longo do ano passado. Mas isso não é suficiente para estimular a produção: a produção de gás natural nos EUA está caindo junto com a contagem da sonda de perfuração e a quantidade de gás armazenada está atualmente 7,4% abaixo da média dos cinco anos anteriores.

A tentativa de colocar limites às exportações de GNL causará gritos estrondosos dos lobistas da indústria de energia, que têm muita influência no Capitólio, e resultará em longas batalhas políticas em um já muito dividido e desagradável Congresso dos EUA.

Entretanto, de volta à UE, há algo que pode ser feito imediatamente para evitar esta crise: ligar o NordStream2, que acaba de ser concluído, deixando de lado os protocolos burocráticos europeus que estenderão o processo de certificação, jogando fora a restrição verdadeiramente idiota de que ele seja usado apenas a 50% da capacidade.

A Gazprom da Rússia estaria perfeitamente disposta a assinar um acordo de fornecimento a longo prazo a um preço razoável, assim como fez com a Hungria há apenas alguns dias. Mas, por enquanto, tal mudança de opinião parece improvável.

Por um lado, os fundamentalistas do mercado livre ainda estão cheios de fé cega de que o mercado livre de alguma forma evitará o congelamento de seu povo; por outro lado, os ambientalistas parecem acreditar que o congelamento seria um ato virtuoso que ajudará a salvar o planeta do superaquecimento.

Na próxima primavera, a neve derretida pode revelar uma paisagem política repleta de cadáveres congelados de ambientalistas e fanáticos do mercado livre. Todos nós devemos desejar-lhes a melhor das sortes, naturalmente, quer eles mereçam ou não.

Publicado em Club Orlov em 28.09.2021.

Tradução JORNAL PURO SANGUE.

Deixe uma resposta