Justiça na cola do 02

Depois de quebrar o sigilo fiscal de Carlos Bolsonaro, a Justiça do RJ foi para cima do sigilo de Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro e mãe de Jair Renan, o famoso 04. Ana Cristina, foi chefe de gabinete de Carlos durante anos de seu mandato de vereador no Município do Rio de Janeiro, até se separar do atual presidente.

Já o Ministro Alexandre de Moraes, vulgo Xandão, como o apelidaram os bolsonaristas, continua enquadrando os possíveis líderes das manifestações do 7 de setembro, em Brasília. Dessa vez foram o suposto líder dos caminhoneiros Zé Trovão e o blogueiro Wellington Macedo. As prisões dos dois foram pedidas pelo mesmo ministro que pediu a abertura do inquérito, é parte interessada nele e agora ordena a prisão desses e de outros envolvidos, incluindo Roberto Jefferson, o presidente do PTB.

Enquanto isso, 90% da população brasileira ignora a micareta e está preocupada com a escalada inflacionária dos preços dos alimentos e combustíveis, concomitante à alta do desemprego. O que prejudica até os desempregados que se aventuram a trabalhar via aplicativos como o Uber, sobretudo se o seu carro for a gasolina ou álcool. Situações como essa deixam a nu teorias econômicas pseudocientíficas que afirmam que o desemprego alto contribui para a queda da inflação, repetida pela arraia-miúda dos economistas, mas nem tanto pela equipe econômica do governo e pelo Copom do Banco Central, determinado a manter a escalada dos juros para proteger os ganhos de rentistas. Com a estagnação da Bovespa, a renda fixa passa a ser uma âncora para este setor.

Por outro lado, é sinal de que se o Judiciário está mesmo na cola do presidente e do seu entorno, usando o esquema das rachadinhas para enquadrá-lo – esquema compartilhado por boa parte de nossa classe política, independentemente de partido ou ideologia – os grandes grupos econômicos parecem lhe dar as costas.

Talvez, a esta hora, Carlos Bolsonaro e seus advogados já estejam com o pedido de habeas corpus pronto para ser protocolado na Justiça.

Deixe uma resposta