Brasil, laboratório experimental da Big Farma

Por Felipe Quintas

Para estruturar a privataria da Eletrobrás, o BNDES contratou o escritório Tauil e Chequer [1], subsidiária do escritório estadunidense Mayer Brown [2], que, por sua vez, tem como alguns dos seus principais clientes [3] a Baxter, que produz as vacinas da Pfizer [4], e a Glaxo, que, desde 2018, fundiu as suas divisões de saúde ao consumidor com a Pfizer [5].

Lembram quando a Pfizer exigiu de Brasil, Argentina e Venezuela os ativos no exterior e os recursos naturais dos países [6]? Então. Missão paga é missão cumprida. Dos três, só o Brasil comprou a vacina da Pfizer, com o apoio de uma frente amplíssima que ia do Paulo Guedes ao MST, valendo até iniciar uma CPI para forçar o governo a comprar e, portanto, destravar as privatizações.

O Brasil não apenas entrega seus recursos estratégicos, indispensáveis à vida das pessoas (a paulada na conta de luz está sendo fatal para muitos), como ainda vira laboratório de testes para a máfia farmacêutica. Entre outras coisas, ela usará os brasileiros – de forma compulsória, se aprovado o passaporte vacinal – para saber o que realmente a sua vacina causa ao longo do tempo, se a vacina “funciona” quando armazenada em temperaturas acima de -70º e o que acontece se misturar com doses de outras vacinas. Claro que outras corporações aproveitam para fazer o mesmo, como a Johnson & Johnson, cujas vacinas foram autorizadas pela Anvisa a terem seu prazo de validade estendido.

Se querem uma trilha sonora para tudo isso, penso que “Índios”, da Legião Urbana, é a mais adequada. Os “índios” a que ele se referia não são os de 1500 não, somos nós hoje em dia.

[1] – https://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2021/07/09/bndes-contrata-assessoria-para-estruturar-privatizacao-da-eletrobras.htm

[2] – https://www.conjur.com.br/2014-jul-29/oab-rj-ameaca-fechar-tauil-chequer-associacao-estrangeiros

[3] – https://www.legal500.com/firms/50636-mayer-brown/52542-new-york-usa/#section-111361

[4] – https://www.reuters.com/article/health-coronavirus-vaccines-baxter-intl-idUSL8N2JO32D

[5] – https://en.wikipedia.org/wiki/GlaxoSmithKline#GSK%E2%80%93Pfizer_joint_venture

[6] – https://outraspalavras.net/outrasaude/as-exigencias-da-pfizer-na-america-latina/

2 comentários sobre “Brasil, laboratório experimental da Big Farma

  1. Antes era mais discreto, como no caso da vacina de HPV em adolescentes. Agora, pirão tá pouco, meu angu primeiro em cima dos corpos e das almas dos brasileiros que entram no matadouro resignados. Ontem, conversei com um taxista. Ele contou que teve reação forte com a injeção, e ainda sente dor no braço. Tem uma parente que falou sobre sequelas em várias pessoas. Hoje, vi no noticiário internacional casos de jovens mulheres com as mamas alteradas após vacinação. O século XX foi o da tragédia da talidomida. O século XXI será o da tragédia da injeção da Pfizer. Pouca gente ganhando muito dinheiro em cima de nós..

  2. Já tinha comentado no Brasil Independente. Mas aproveitando, tem tudo a ver, porque a maioria dos senadores, citam diversas vezes em suas falas, a palavra Pfizer, como se fosse a salvadora da humanidade. A gente vê, o quanto essa gente está comprometida com o sistema capitalista perverso.

Deixe uma resposta