O Extremismo Sionista está prestes a tomar o poder em Israel

Por Rafael Queiroz

Uma aliança de extremistas sionistas incluindo o Poder Judaico, um partido tão radical que mesmo os defensores inabaláveis do lobby pró-Israel nos EUA não conseguem engolir, está prestes a entrar no parlamento de Israel, se for possível acreditar nas urnas para as últimas eleições gerais . Herdeiros ideológicos de Meir Kahane, que defendeu abertamente a expulsão de todos os palestinos da Palestina histórica entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo – o que ele chamou de “a Terra de Israel” – provavelmente estarão em uma posição para um cargo ministerial em um governo de coalizão potencial liderado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

O influente Comitê de Relações Públicas de Israel (AIPAC) cuja linha é de um judaísmo liberal e progressista chamou o Jewish Power, de partido “racista e repreensível”. O líder da aliança, Bezalel Smotrich, uma vez sugeriu maternidades segregadas em hospitais para que mulheres israelenses judias não tivessem que dar à luz ao lado de mulheres israelenses palestinas.

Se o resultado da eleição for como previsto, isso colocará uma barreira entre a sociedade israelense que difunde a ideologia da supremacia judaica de “Kahanismo” e os judeus americanos progressistas que estão se tornando cada vez mais desiludidos com o estado sionista e questionam o apoio incondicional a Israel .

Os sinais desse cisma estão aí para que todos possam ver. Os altos índices de aprovação de Donald Trump, por exemplo, entre os israelenses que amavam o ex-presidente dos Estados Unidos mais do que qualquer outra pessoa, é uma das provas disso: 70 por cento o apoiaram. “Olhe para Trump e verá os israelenses”, disse o colunista do Haaretz, Gideon Levy.


“A explicação para a popularidade crescente de Trump em Israel é muito mais profunda”, explicou Levy ao rejeitar a noção de que os judeus israelenses amavam Trump por causa de seus muitos presentes para o estado sionista:

“Suas raízes são muito mais perturbadoras. Israel admira Trump não apesar de suas muitas deficiências repulsivas, mas por causa delas. Trump é a personificação de tudo o que há de ruim e feio em Israel, enquanto os normaliza e maquina para nós. Olhe para ele e você verá nós mesmos. Isso é quem somos, ou quem gostaríamos de ser. “

Outro exemplo disso foi o que fez a Federação da Comunidade Judaica de Richmond – o centro de arrecadação de fundos, planejamento comunitário, desenvolvimento de liderança e braço de extensão da comunidade judaica local – quando levantou preocupações sobre o professor Beinart após pressão de doadores. O “crime” de Beinart foi escrever um artigo em julho para a Jewish Currents, no qual ele fez uma apologia pela igualdade entre Israel e Palestina. Argumentando por um único estado na Palestina histórica que trate todos os cidadãos igualmente, Beinart explicou que por décadas ele sustentou a visão de que era possível separar palestinos e israelenses em dois estados diferentes, mas, “Agora posso imaginar um lar judeu em um estado igual . “

Para alguns judeus sionistas, Beinart tinha ido além dos limites e sua nova visão política desencadeou uma onda de denúncias histéricas. Ele foi descrito como “um traidor” e “fundamentalmente imoral”, já que os críticos disseram que suas opiniões eram nada menos que uma “traição ao povo judeu”.

Israel está abraçando, de vez, o credo Kahanista da supremacia judaica. Tempos ainda mais sombrios se avizinham dos árabes e cristãos palestinenses.

Publicado em Catolicidade em 26.03.2021.

Deixe uma resposta