Combustíveis fósseis não vão a lugar nenhum

Combustíveis fósseis não vão a lugar nenhum

“Não há cenário em que os hidrocarbonetos desapareçam”,disse o presidente-executivo da Baker Hughes, Lorenzo Simonelli, durante seu discurso principal na reunião anual deste ano na empresa. Como outros executivos do setor, Simonelli reconheceu e saudou a transição energética, mas observou que um cenário de energia 100% renovável simplesmente não era possível. Existem muitas evidências de que este é realmente o caso, apesar das esperanças e ambições de muitos defensores do meio ambiente.

Essas esperanças e ambições imaginam um mundo onde a atividade humana é alimentada apenas por eletricidade, e esta eletricidade, por sua vez, está sendo gerada usando apenas fontes de energia renováveis, como solar, eólica e hidrelétrica.

Esse mundo, entretanto, é irreal.

Veja a Alemanha, por exemplo. O país, que está entre os membros da UE com maior capacidade de energia renovável, produziu muito pouca energia solar desde o início deste ano. O motivo: é inverno. Ela está produzindo uma quantidade sólida de energia eólica, com certeza, mas também está gerando energia a partir do combustível fóssil mais desprezado de todos: o carvão.

No momento em que este artigo foi escrito, sua intensidade de carbono era de 264 gramas de CO2 equivalente por kWh. Isso foi comparável à intensidade de carbono de outra garota-propaganda das energias renováveis na Europa, a Dinamarca, que atualmente obtém a maior parte de sua energia com a eólica.

Portanto, parece que construir capacidade renovável em si não é uma solução mágica para o problema das emissões. Na verdade, se você construi-la muito rapidamente sem adicionar capacidade de armazenamento substancial, o tiro pode sair pela culatra. Isso foi evidenciado mais recentemente por uma falha que gerou um grande apagão na Europa causado por um pequeno problema em uma subestação croata que se espalhou pelo continente, destacando a importância de manter a rede em uma frequência constante – algo que as energias renováveis não podem fazer por causa de sua intermitente geração.

Mesmo a Dinamarca tem usinas termelétricas para garantir a carga de base que qualquer rede precisa para funcionar adequadamente e eliminar ou pelo menos reduzir o risco de apagões.

Mas voltando à previsão de Simonelli sobre o futuro garantido do petróleo e do gás. Este futuro não será como o passado. O mundo está firmemente encaminhado para mudar a forma como gera e usa energia. Simonelli e o outro orador principal do AM2021 da Baker Hughes, Daniel Yergin, da IHS Markit, reconheceram isso. Simplesmente, essa mudança não se limitará ao aumento da capacidade de geração solar e eólica.

A eficiência energética, por exemplo, será uma grande parte da transição.

A eficiência foi empurrada para fora dos holofotes recentemente, substituída por coisas como hidrogênio verde e a narrativa de redução de emissões constante, mas não foi embora. De acordo com Simonelli da Baker Huges, a eficiência sozinha poderia ajudar a cumprir até 27 por cento das metas de mudança climática do Acordo de Paris. Em uma escala global, trata-se de uma redução maciça de emissões, a uma taxa de meio giga tonelada por ano.

Além da eficiência, existem todos os compromissos que as Big Oil estão assumindo sob pressão de investidores, reguladores e ativistas. Cada grande petroleira agora tem um plano de transição para energia renovável, alguns mais ambiciosos do que outros. Todos os planos, no entanto, envolvem despejar bilhões de dólares no que é essencialmente um afastamento do negócio principal dessas empresas de extração de petróleo e gás do solo, a um custo de emissão de carbono e metano, é claro.

Essa mudança para as energias renováveis pode levantar algumas dúvidas sobre se o petróleo e o gás continuarão realmente sendo indispensáveis. No entanto, os fatos sugerem que provavelmente seguirão. Ainda existem milhões de pessoas em todo o mundo sem acesso a eletricidade e, para muitas dessas pessoas, usar energia renovável imediatamente não é uma opção, por uma série de razões, incluindo custo – sim, mesmo que os custos do painel solar estejam caindo como WTI em abril de 2020 – e problemas de logística. Tornar-se ecológico só parece mais barato do que aderir aos combustíveis fósseis. Mas não é.

Como Yergin, da IHS Markit, apontou em seu discurso, as economias emergentes continuarão a depender fortemente dos combustíveis fósseis, apesar dos esforços de outras regiões para reduzir sua própria dependência deles. Mesmo que os painéis solares tenham custo zero também são necessários componentes como inversores e interligação com a rede, além de armazenamento, para obter os melhores resultados. Isso por si só é suficiente para garantir o futuro de longo prazo do petróleo e, especialmente, do gás como parte indispensável da matriz energética mundial.

Então, se o petróleo e o gás não estão indo a lugar nenhum, podemos ao menos torná-los um pouco mais limpos? Certamente podemos, de acordo com Simonelli e Yergin, bem como com muitos outros especialistas do setor. A captura de carbono é o segundo elemento do longo jogo do petróleo e gás, além da eficiência. É verdade que a tecnologia de captura de carbono ainda é bastante cara, mas, como na energia solar e eólica, os custos estão diminuindo. Com muita conversa e pouca ação, a captura de carbono está a caminho de se tornar uma característica da transição energética. Por quê? Porque “os números não funcionam sem ela”, como disse Daniel Yergen.

Com informações Oilprice

Deixe uma resposta