As consequências estratégicas do estado de emergência em Mianmar

Por Andrew Korybko

Resumo

Mianmar entrou em estado de emergência por um ano depois que o Tatmadaw (o comando militar do país) deteve líderes da Liga Nacional para a Democracia (LND), o partido governante, após sua recusa em investigar seriamente as acusações militares de fraude decorrentes das eleições contestadas de novembro passado. Descrito popularmente como um “golpe” pela mídia internacional, apesar de estar amparado com pelo Artigo 417 da Constituição de 2008, já recebeu ampla condenação dos Estados Unidos e de seus aliados, incluindo aqueles do Quad (EUA, Japão, Índia e Austrália), preparando o terreno para reverter temporariamente Mianmar ao seu status de pária regional. Voltando ao status anterior, espera-se que o estado do sudeste asiático venha a depender mais fortemente da China e da Rússia. Essas duas grandes potências buscarão estabilizar o país em apoio à sua transição política para novas eleições em doze meses, enquanto a antiga coalizão de Estados apoiados pelos Estados Unidos tentará minar o processo.

Contexto político

Mianmar começou sua transição política para um modelo nacional de democracia inspirada no Ocidente há uma década, quando começou a implementar reformas em 2011. A LND de Aung San Suu Kyi, ícone da democracia ocidental, ganhou as eleições em 2015, sendo nomeada “Conselheira de Estado” – uma solução alternativa a entrar em algum tipo de cargo, uma vez que a Constituição a proibia de ocupar algum cargo de comando porque membros de sua família imediata possuíam dupla cidadania. Contrariando as expectativas, ela geralmente deu continuidade às parcerias estratégicas do governo liderado pelos militares com a China e a Rússia, ao mesmo tempo em que expandiu os laços com novos parceiros, como os Estados Unidos, Índia e outros. Ela também apoiou a operação de segurança do Tatmadaw no inquieto estado de Rakhine, no noroeste, contra a minoria muçulmana que se autoproclama “Rohingya”. Mesmo assim, os militares nunca confiaram verdadeiramente nela e acusaram a LND de fraudar as eleições de queda semana passada.

Contexto Militar

Ao mesmo tempo, Mianmar continuou a experimentar o que é considerada a guerra civil mais longa do mundo, em estado intermitente e com intensidade variável desde o final da Segunda Guerra Mundial. Em suma, muitas das minorias periféricas do país (especialmente aquelas em áreas ricas em recursos naturais) estão em desacordo com as tendências centralizadoras da maioria étnica de Bamar. Isso levou a vários estágios de conflitos por procuração (proxy struggles) da velha Guerra Fria em seu território. Suu Kyi tentou reviver o espírito da antiga Conferência de Panglong, iniciada por seu pai, que federalizou a então Birmânia (antigo nome do país), mas isso provocou ainda mais suspeitas dos militares, pois alguns temiam que ela planejasse institucionalizar a divisão interna de fato do país. Apesar de eles terem concordado anteriormente em realizar negociações de paz com muitos rebeldes do país. Isso poderia, por sua vez, transformar Mianmar em um tabuleiro de damas de pequenos estados em guerras de procuração a serem divididos e governados na Nova Guerra Fria.

Contexto estratégico

Merece menção especial que Mianmar desempenha um papel ultra-significativo na Belt & Road Initiative (BRI) da China em virtude de hospedar o Corredor Econômico China-Mianmar (CMEC), um análogo da ASEAN do Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC) do BRI, que também permite que a República Popular se conecte ao Oceano Afro-Asiático (“Índico”) sem ter que passar pelo tenso Mar do Sul da China e pelo Estreito de Malaca. Com o tempo, o CMEC e o CPEC poderiam melhorar muito a conectividade da China com seus parceiros do Sul Global na África, permitindo assim que a República Popular atualize de forma mais tangível a “Teoria do Terceiro Mundo” do ex-presidente Mao de priorizar a cooperação Sul-Sul por meio de sua política de desenvolvimento internacional atual. A exacerbação provocada externamente das identidades regionais conflitantes de Mianmar (Guerra Híbrida) durante seu estado de emergência em curso poderia, portanto, representar, no pior cenário, um enorme revés para a grande estratégia da China.

Os corredores de infraestrutura que ligam a saída de Mianmar para o Oceano Índico à China.

Riscos políticos

A LND já convocou seus apoiadores a protestarem em todo o país contra o “golpe”, que pode levar a uma agitação própria de uma revolução colorida (nota: algo como uma “ucranização”) se não for prontamente controlada pelo Tatmadaw. Dada sua história de implementação efetiva de “Segurança Democrática” (anti-guerra híbrida, incluindo a revolução de coloridas), há pouca dúvida de que os militares terão sucesso a esse respeito, mas isso pode, por sua vez, levar os EUA, o Quad ( incluindo a Índia), e seus aliados na imposição de sanções (sejam pessoais, setoriais, etc.) em resposta. O Quad também podem fornecer um grau incerto de apoio político aos manifestantes, o que pode evoluir perigosamente para ajuda militar a certos grupos rebeldes, incluindo os insurgentes “Rohingya” que são considerados pelo Tatmadaw como terroristas. Dependendo da transição em fases dessa abordagem adaptativa indireta à mudança de regime, uma nova guerra híbrida pode estourar em Mianmar.

Riscos militares

Eu explorei os cenários mais prováveis ​​de guerra híbrida para Mianmar em uma série analítica de quatro partes altamente detalhada no outono de 2016 (I, II, III, IV) que deve ser pelo menos lida por aqueles que estão interessados ​​em aprender mais sobre a dinâmica complexa da guerra civil mais longa do mundo. Basicamente, as áreas habitadas por “Rohingya” do Estado de Rakhine, logo ao norte do porto terminal da CMEC de Kyaukpyu, o longamente agitado Estado de Kachin que faz fronteira com a China e a Índia e o endurecido Estado de Shan, confinando entre a China e a Tailândia, podem acabar como os locais mais prováveis de conflitos. O pior cenário seria se a Índia se tornasse o estado de vanguarda da inicitava de “liderar por trás”, instigada pelos EUA, para travar a guerra híbrida do Quad contra Mianmar, o que poderia arrastar perigosamente a China para uma luta por procuração, já que Pequim provavelmente dobraria seu apoio a Mianmar. Apesar de declarar publicamente seu apoio à “democracia” em Mianmar, a Índia não parece ter nenhum interesse nesse papel, embora essa hipótese de participar de alguma forma não possa ser totalmente descartada. Mesmo na ausência do pior cenário, uma nova Guerra Híbrida em Mianmar ainda poderia ser bastante intensa.

Riscos estretégicos

A reversão de Mianmar de volta ao seu status de estado pária correria o risco de repetir o cenário de “dependência” desproporcional da China que acabou levando ao desejo do Tatmadaw de restaurar o “equilíbrio” a essa relação, “diversificando” sua gama de parcerias por meio de sua breve experiência com ” democracia”. Em outras palavras, Mianmar pode estar entrando na segunda etapa deste ciclo, que pode estar destinada a terminar da mesma forma, mesmo que o processo acelere e seja comprimido dentro do prazo de apenas um ano como oficialmente esperado ou talvez mais um, se as próximas eleições forem adiadas por motivos imprevistos, ao invés de duas décadas. O que está sendo dito é que o esperado retorno quase imediato de Mianmar à sua “dependência” anterior da China poderia eventualmente ser explorado mais uma vez para objetivos anti-chineses, dependendo do resultado das próximas eleições, embora a LND tenha sido até então inesperadamente pragmática em relação à República Popular.

Soluções políticas

Todas as soluções para os problemas mais imediatos de Mianmar dependem da China, mas seria sensato se Naypyidaw (a capital de Minamar) e Pequim expandissem sua cooperação bilateral previsivelmente fortalecida em um formato trilateral envolvendo Moscou. A Grande Potência da Eurásia tem muita experiência em lidar com ameaças de “Segurança Democrática” de ponta, tanto dentro de suas próprias fronteiras como nas de seus aliados bielorrussos, da República Centro-Africana, do Quirguistão e da Síria. Isso torna sua contribuição para a estabilização política de Mianmar inestimável e de imensa utilidade para seu parceiro do sudeste asiático e para a China, que poderia aprender mais sobre as formas mais eficazes de frustrar as ameaças da guerra híbrida por meio de sua cooperação trilateral. Tão importante quanto, a Rússia também tem vontade política para aumentar seu apoio a Mianmar, o que nenhuma outra grande potência significativa além da China tem. Isso os torna parceiros perfeitos e pode promover muito a dimensão asiática do ato de “equilíbrio” da Rússia.

Soluções militares

Mianmar exigirá apoio confiável de seus principais parceiros militares chineses e russos, daí uma das razões pelas quais foi sugerido acima que Moscou expandisse sua cooperação com Naypyidaw também na dimensão política. As duas grandes potências são fornecedores militares de longa data de Mianmar, mas Moscou recentemente voltou a engajar Naypyidaw para elevar seus laços militares a um nível qualitativamente novo. O ministro da Defesa, Sergei Shoigu, esteve lá no mês passado, quando “concordou que a Rússia fornecerá a Mianmar sistemas de mísseis terra-ar Pantsir-S1, drones de vigilância Orlan-10E e equipamento de radar”. Esses suprimentos serão cruciais para garantir as capacidades defensivas de Mianmar no futuro, embora não se espere que sejam entregues imediatamente. Isso mostra a visão de longo prazo de ambos os países, que complementa a visão da China, ao mesmo tempo em que ajuda Mianmar a “diversificar” de sua outrora “dependência” de Pequim de uma forma “amigável”.

Soluções estratégicas

Seguindo a tendência proposta da Rússia de melhorar de forma abrangente sua presença em Mianmar durante o estado de emergência em curso no país, segue-se que a Rússia deve ser convidada a investir em parte do CMEC ou outros empreendimentos de conectividade relacionados, dentro deste estado geoestrategicamente posicionado. Fazer isso poderia facilmente tornar a Rússia uma das principais partes interessadas em uma das economias mais promissoras e de crescimento mais rápido da Ásia, apesar dos riscos significativos envolvidos relacionados à sua estabilidade. A assistência de “Segurança Democrática” da Rússia, fiel ao padrão que foi pioneiro na Síria e mais recentemente na República Centro-Africana, poderia resultar em quid pro quos tácitos, pelos quais Moscou obtém participações valiosas em projetos estratégicos em troca de ajudar a defender seu parceiro do ameaças de guerra híbrida. Se tiver sucesso, a Rússia poderá diversificar sua atual dependência estratégica regional da Índia e do Vietnã no espaço sul-sudeste asiático ao longo da região sul da Eurásia.

Pensamentos finais

Mianmar está prestes a experimentar outra rodada de intensa pressão internacional após a imposição do estado de emergência de um ano, embora, ao contrário dos anos 1990 e 2000, o país esteja melhor posicionado para lidar com isso por causa de suas parcerias estratégicas muito mais fortes e equilibradas com China e com a Rússia. Espera-se que Moscou, em particular, desempenhe um papel maior no apoio a Mianmar do que antes, tanto por causa de seu status restaurado como uma Grande Potência quanto devido ao desejo de seu parceiro de diminuir sua “dependência” de Pequim de uma forma “amigável” durante este período delicado Tempo. É claro que resta saber se a campanha de pressão liderada por Quad evoluirá para uma guerra híbrida sustentada ou não, mas esse cenário não parece muito provável no momento, já que a Índia não parece ter apetite para liderar em nome dos EUA, pelo menos não no momento. Sendo esse o caso, Mianmar provavelmente não será tão desestabilizado e provavelmente sobreviverá a esta campanha de pressão.

Publicado em One World em 01.02.2021. Tradução JORNAL PURO SANGUE.













Deixe uma resposta