A fome a pressa

Essa foto mostra o penúltimo degrau da degradação humana, da humilhação do cidadão de bem em pânico e desesperado por não ter o que comer nem onde morar. É o grito de desespero de alguém prestes a cair na mendicância, pois pelo visto, a formação ética e de caráter deste brasileiro é um bloqueio para ele cair na lógica do crime tão apregoada pela Márcia Tiburi e por essa nossa esquerda fedorenta.

Calma que o pau vai sobrar para todo mundo, afinal de contas, todos não passam de sócios, todos travestidos de social democratas que desde que pegaram o poder deste país das mãos dos “sanguinários” ditadores militares se dedicaram a endividar, retalhar e doar o nosso país.

Vergonha ter um energúmeno, um idiota funcional como Bolsonaro na presidência desse país, negando assistência financeira básica a uma população desesperada com o pífio argumento de quê se assim procedesse estaria criando uma nação de vagabundos.

Vagabundo é você excelentíssimo presidente, a liturgia do cargo pede isso, mesmo com vossa excelência não sabendo usá-la quando devido, como vimos esta semana numa coletiva com essa mídia que também por outro lado não passa do mais puro chorume.

Engraçado que o nosso indigitado presidente mesmo tendo a garantia de um emprego vitalício, tendo moradia gratuita numa vila militar pensou em explodir bombas, um verdadeiro ataque terrorista não para matar a fome e garantir a subsistência da família como cidadão acima, mas pelo simples acréscimo do ervanário no final do mês.

Agora este mesmo sacripanta montado em belas aposentadorias somadas ao salário de presidente e a um belo cartão corporativo de gastos secretos vem querer dar lições de grandiosidade, como um verdadeiro coach, com o rabo entupido e discursando para uma patuleia de miseráveis.

Estamos quebrados? Não temos mais dinheiro? Pagar um miserável auxílio que serve apenas para alimentos básicos para o povo continuar de pé não é possível? O gasto público explodiu? Ora “sargento bombarda”, a solução é simples, simples até demais. Estado de sítio, cortes de todas as mordomias, extinção imediata de todas as câmaras municipais do Brasil, corte de todos os penduricalhos e de 70% dos cargos comissionados do Congresso Nacional e de outros poderes, corte de 70% em todas as verbas do judiciário e aí sim, poderemos falar em ajustar as contas da nossa população.

Isso seria um golpe? Seria sim, e daí? Nobre e equino presidente, se você era capaz de explodir petardos e matar inocentes por reajustes salariais, um golpe para mitigar a fome do seu povo não é nada. Vamos lá, chute o pau da barraca, nobre bravateiro a serviço do neoliberalismo e de George Soros.

Mas nada disso irá acontecer, no final do mês desembargadores de alguns estados irão embolsar salários com atrasados inventados de sete dígitos, assessores parlamentares que não vão trabalhar continuarão ganhando suas pequenas fortunas, vereadores continuarão sangrando os municípios miseráveis e pilotos de cadeira do Supremo Tribunal Federal continuarão ganhando mais do que pilotos de caça.

É um milagre esse cidadão abaixo e outros não estarem praticando crimes de verdade, assaltando ou roubando para matar a fome, que é amparado até pela lei, pelo princípio da insignificância e da bagatela. Hoje não tenho dúvida alguma que em situação análoga e levando em consideração o seu histórico pretérito, se submetido a tal situação Bolsonaro hoje estaria praticando saidinhas de banco com a sua arma funcional.

E para não dizer que eu deixei essa New Left asquerosa de fora, afirmo que este país só não explodiu ainda porque o identitarismo aliado a essa fedorenta classe média, a políticos oportunistas e a uma mídia sebosa consegue colocar mais pânico no povo do que a fome.O último por favor apague a luz…

Deixe uma resposta