Desconstrução da esquerda pós-moderna, parte 2

Parte 1, aqui.

Por Adriano Erriguel.

O neoliberalismo invisível

“A maior astúcia do diabo é nos fazer acreditar que ele não existe”, disse Baudelaire. A maior astúcia do neoliberalismo é adotar todas as formas possíveis, inclusive a do antineoliberalismo.

No final de 2017, o Banco Bilbao-Vizcaya (BBVA) patrocinou a publicação de um luxuoso volume intitulado “La era de la perplexidad. Repensando o mundo que conhecemos ”, com o objetivo de reunir as reflexões de uma série de especialistas internacionais sobre“ os grandes desafios da ciência, tecnologia, economia, negócios e humanidades ”. O volume – apresentado como um produto da comunidade online “Open Mind”, patrocinado pelo BBVA – abre com uma matéria do Presidente do Banco, Francisco González, que oferece uma análise sumária da revolução tecnológica, que “irá gerar médio prazo mais bem-estar, crescimento e emprego ”. O autor assegura que “sem dúvida, ainda existem no mundo centenas de milhões de pessoas que vivem em extrema pobreza, e bilhões em condições de vida muito precárias” (…) “mas, como um todo, o curso da economia o global não endossa o sentimento de insegurança, frustração e pessimismo que se observa cada vez mais ”. Até agora tudo normal: é o tipo de discurso institucional, medido e balsâmico que esperamos de um banqueiro. O estranho começa mais tarde.

Entre os floreios dos textos reunidos, nenhum dos tópicos favoritos do progressismo transnacional está faltando: a crítica ao populismo, a pregação feminista, a denúncia da “pós-verdade”, a ameaça da Rússia, o perigo de Trump, o mantra das “Reformas”, os benefícios da globalização. Mas, entre os artigos, destaca-se o contribuído por um estudante universitário canadense: uma diatribe furiosa contra o neoliberalismo juntamente com uma exaltação do anarquismo e dos movimentos antissistema.

O autor confirma os horrores do “pesadelo neoliberal” (que é uma “sombra negra”), mas garante que, no final, tudo conduzirá a “um novo amanhecer”, pois “há raios de esperança” que vêm “para trazer luz ao mundo”. Como? Através das “políticas prefigurativas” de esquerda, em cuja vanguarda estão os movimentos anti-sistema, os posseiros, os zapatistas, os indignados, os coletivos pró-imigrantes e mesmo as táticas “black bloc” da violenta “antifa”.

Mas se lermos com atenção, em meio ao êxtase anarquista (em papel revestido pago pelo Banco) o autor mostra suas reais intenções.

Referindo-se às críticas que, em sua época, alguns observadores fizeram ao movimento “Ocupe Wall Street” por não fazer demandas claras de transformação social, o autor garante que, se esse movimento tivesse feito tais demandas, teria assim “legitimado as estruturas do poder ”e, portanto, teria enfraquecido seu compromisso com a“ democracia participativa ”.

Em outra parte do texto, o autor dirige um ataque ao acadêmico marxista David Harvey, por este último apontar que “a atitude antiestatista do anarquismo reforça, de fato, os valores neoliberais” (“Harvey, que é um marxista convicto, faz uma caricatura o anarquismo com má-fé ”, conta ele). Nosso autor então aponta que, apesar de todos os males neoliberais, as políticas “prefigurativas” nos dão a oportunidade aqui e agora de mudar nossa vida cotidiana e “criar um novo mundo dentro do velho”. E como fogo de artifício final, o professor antissistema canta um hino à responsabilidade pessoal, individual e intransferível como o único meio de transformar o mundo (“vamos fazer da visão do que é melhor para nós uma realidade por nós mesmos” (…) “se quisermos alterar o direção do planeta … devemos fazer o trabalho duro nós mesmos. É um caminho pelo qual não podemos ser direcionados”).

Parece familiar, certo? As cantilenas do self-made man, o “sonho americano”, a iniciativa privada, a sociedade civil, a “liberdade de escolha” e assim por diante. Traduzido, tudo isso significa: sem líderes, sem luta organizada, sem projetos coletivos, sem programas políticos ou revoluções. Sim ao protesto fotogênico, sim à fúria estéril, sim aos gritos de adolescentes, sim ao ativismo samaritano, sim ao turismo alterglobalista. Afinal, o sistema permite e também nos oferece nichos individuais para “realizar nossos sonhos”. O que eles são senão ONGs solidárias, startups verdes, multinacionais de comércio justo, financiadores-filantropos e empresas de caridade? Tudo isso, claro, se formos responsáveis, se nos aplicarmos e trabalharmos muito. Porque o importante é “manter a nossa autonomia”, reinventar-nos e “eliminar as arestas dos nossos mapas” (derradeira crosta de gelo).

Resumindo: depois do lixo anti-sistema, neoliberalismo e boas vibrações.

O caso anterior é apenas um exemplo – anedótico mas eloquente – do gênio supremo do neoliberalismo: sua capacidade camaleônica de se tornar invisível, de se fundir no espírito do tempo, de adotar uma máscara de esquerda. Nesse caso, o dos anarquistas, do antiestablishment e de outros figurantes do circo mundial do neoliberalismo.

Narcisismo em massa

Por que as diatribes contra o neoliberalismo são patrocinadas pelos bancos? Por que os gurus rebeldes convocados pela mídia, reverenciados pelas universidades, lisonjeados pelas instituições? Por que os subversivos recebem honras e bolsas? Por que o “pensamento alternativo” quase sempre é expresso em publicações elegantes?

A resposta é simples: porque na maioria dos casos eles participam integralmente da implantação do capitalismo, favorecendo as mudanças sociais e culturais exigidas pelo mercado.

Os caminhos do neoliberalismo são tortuosos: pós-marxismo, teoria “queer”, teoria pós-colonial, teoria do reconhecimento, feminismo de terceira geração, pós-estruturalismo, transumanismo, alter-globalismo, estudos de gênero, estudos de deficiência, estudos deste e do quê de outros. Todo um arsenal teórico, ideológico e social impulsionado em grande parte pelos Estados Unidos. Como apontam Cédric Biagini e Guillaume Carnino – num guia essencial sobre o autêntico pensamento alternativo do nosso tempo – “destruindo ferozmente os modos de vida e de produção tradicionais, estigmatizando qualquer vínculo com o passado, exaltando a mobilidade, os processos de modernização incessante e o poder libertador das novas tecnologias, esta falsa dissidência estimula a engenharia social necessária ao pleno desenvolvimento do neoliberalismo ”.

A esquerda radical é a companheira perfeita para esta jornada, pois, com sua retórica progressista, alimenta o mito do caráter conservador, retrógrado e repressivo do neoliberalismo: uma operação diversionista que só mascara a verdadeira essência do último, e que adorna com enfeites subversivos todas as forças sociais que nada fazem além de sustentar o mesmo sistema que afirmam lutar.

Maquiavélico, certo?

Não é, porém, uma “conspiração”. É simplesmente uma dinâmica, uma evolução adaptativa do capitalismo em sua fase atual: o neoliberalismo.

Se existe uma técnica neoliberal por excelência, esta consiste no uso do narcisismo como sedação em massa. Ao construir seu projeto sobre uma ontologia exclusivamente individualista – o homem-empresário definido por seus desejos, por sua imagem e por seus projetos privados -, o neoliberalismo promove um “amor-próprio” individualista que resulta no eclipse do político, na impossibilidade de qualquer projeto de transformação coletiva.

As correntes alternativas que surgiram nos últimos anos – o alterglobalismo, os novos movimentos sociais, os “indignados” – são uma amostra disso. Seu perfil é o de uma resposta apaixonada por si mesma, uma resposta desagregada, dividida em grupos encerrados em suas práticas de consumo, transformada – como indicam os autores acima citados – na “fabricação de identidades sintéticas (compra de identidade), sejam elas nacional, política ou religiosa, por meio de fragmentos da história que transbordam na mídia e na consciência coletiva, e remixados para justificar suas fantasias de irmandade e dominação seletiva ”. Obviamente, todos esses dispositivos servem apenas para clarear o sistema. A revolução torna-se assim uma ética pasteurizada, uma exibição de “estilos de vida”.

Os micronacionalismos e os movimentos de independência europeus não escapam a essa dinâmica tipicamente pós-moderna de narcisismo e fabricação de identidades. Uma dinâmica que se revela, entre outros fatores, na reescrita arbitrária da história, no uso da vitimização e no desejo de desconstruir as velhas nações europeias. Estes continuam a ser – pelo menos ainda – um dos obstáculos na construção da nova utopia.

A impostura antissistema

É preciso insistir: os movimentos “antissistema” que se pretendem lutar contra o neoliberalismo configuram-se, na prática, como um de seus melhores cavalos de Tróia.

Longe de constituir um “contra-poder” inédito, os movimentos de oposição exercem o poder na praça, limitando-se a radicalizar os mesmos pressupostos – ideológicos, sociais e políticos – da globalização neoliberal. A emancipação do indivíduo, a dissolução das soberanias nacionais e a miscigenação cultural são alguns dos seus vetores. É uma confluência que eles também não estão tentando esconder. Os intelectuais oposicionistas em voga – apontam Cédric Biagini e Guillaume Carnino – “concordam em postular que é a evolução do capitalismo – isto é, sua intensificação e não sua interrupção – que tornará possível sua superação”.

Correntes radicais de esquerda como o “aceleracionismo” – que se inspira nas teses sobre capitalismo e esquizofrenia de Deleuze e Guattari – ou os teóricos do “Império” Toni Negri e Michael Hardt, com sua visão messiânica das multidões globalizadas como novas sujeito revolucionário. Poucas fraudes são tão sangrentas quanto a fala desses dois supostos subversivos. Sua obra “Império” – aponta o filósofo Anselm Jappe – “dirige-se a um público muito preciso em termos sociológicos: diz às novas classes médias que elas ganham a vida no setor “criativo ”, informática, publicidade, indústria cultural, que representam o novo sujeito de transformação da sociedade. O comunismo será feito por um exército de microempresários da informática (…) Porém, os sujeitos desta maravilhosa “multidão” internalizaram completamente os critérios da sociedade mercantil e suas criações o atestam. Quase todos os produtos tangíveis e intangíveis de hoje são lixo ”. Incluindo – acrescentamos – ativistas radicais inspirados por Negri e Hardt.

Nosso tempo é rico em propostas “subversivas”, embora estas tenham uma característica em comum: no fundo se sentem confortáveis ​​no capitalismo. Isso porque tendem a compartilhar a convicção de que o capitalismo libera desejos, tecnologias e processos que permitem a evacuação de arcaísmos e rigidez – como soberanias populares e identidades nacionais – ao mesmo tempo em que lança as bases para seu próprio aperfeiçoamento. O capitalismo, segundo os radicais da moda, não será capaz de conter os processos que ele mesmo provoca.

O objetivo final não é a destruição do capitalismo, mas a “reapropriação” de suas bases materiais, em um hipotético futuro pós-capitalista em que nações e povos, como relíquias que são, são chamados a se dissolverem em uma “cidadania mundial” indivíduos nômades. Um “final feliz” onde eles existem, mas que concorda com o neoliberalismo em sua versão mais extrema: fronteiras abertas para bens, trabalho, serviços e capital. Ausência de qualquer ideia de limitação, bar aberto para todos. É nisso que consiste uma revolução?

Ao contrário, é possível pensar – parafraseando Anselm Jappe – que uma verdadeira revolução consistiria em abolir o lixo, em vez de tentar arrancá-lo do capital gritando “É nosso!”

No momento, os bancos não parecem temer muito esses “antissistema”.

Sexo e a privatização da política

É irônico pensar (e aqui devemos prestar homenagem ao gênio do neoliberalismo) que quase um século de teoria crítica “contestatória” levou à ideologia oficial do novo capitalismo. A Escola de Frankfurt, ao rejeitar a crítica marxista da economia política (devido ao seu caráter “economicista”), abriu as portas ao liberalismo libertário e à ideologia da emancipação individual. Tarefa em que a pós-moderna “Teoria Francesa” assumiria para se tornar, com o “politicamente correto” americano, a ponta de lança teórica de todo esse processo. Esta dinâmica inclui também o pós-marxismo de autores como Ernesto Laclau, com seu apelo à “radicalização da democracia” através do ativismo dos novos movimentos sociais (feministas, ecologistas, minorias étnicas e sexuais, etc.). O resultado não foi a superação do capitalismo, mas muito pelo contrário.

Como qualquer outra luta coletiva, uma verdadeira luta antineoliberal só pode partir de uma recuperação da dimensão política. Mas isso é exatamente o oposto do que fazem os lobbies comunitários nos quais Laclau colocou suas complacências. As lutas dessas minorias não defendem a revolução, mas a satisfação de suas reivindicações; eles não combatem a exploração, mas a “exclusão”; eles não aspiram à mudança, mas ao “reconhecimento”. Tudo isso com o entendimento de que “tudo que é privado é política”, axioma central da esquerda pós-moderna.

O neoliberalismo não tem nenhum problema em se alimentar dessa “radicalização da democracia”, tanto na boca da extrema esquerda. Na prática, essa politização da realidade cotidiana – ativismo militante aplicado ao domínio dos costumes e identidades individuais – inverte justamente a situação oposta: na despolitização do corpo social. Porque se tudo é política, nada é política. A política, que é uma expressão da vontade geral e defesa de projetos coletivos, esmaece e se dissolve em uma miríade de reivindicações privadas e micro-relatos.

Tudo isso é especialmente visível no debate sobre feminismo e identidades sexuais, questões que hoje constituem o pão e o circo pós-moderno. Como aponta o cientista político canadense Maxime Ouellet: “movimentos sociais – especialmente feministas de segunda geração – têm tentado repolitizar a esfera cultural com a fórmula ‘privado é político’, tornando assim a luta radical pela transformação da sociedade tem se transformado progressivamente em lutas de identidade por “reconhecimento”, alimentando assim o novo espírito do capitalismo “. A esquerda pós-moderna desempenha um papel central nessa dinâmica, superando sua retórica antineoliberal com um marketing de questões de gênero disfarçado de “revolução”. Uma mistura que, nos atavismos mentais de esquerda, faz muito sentido.

Como aponta o filósofo Shmuel Trigano – “se gênero é um fato social, a luta ‘sexual’ substitui a antiga luta de classes, e a política se estende ao corpo e às relações sexuais”. Nessa linha, o filósofo de extrema esquerda Alain Badiou aponta que “no materialismo democrático, a liberdade sexual é o paradigma de toda liberdade”. Desta forma, o corpo humano – possibilidade de reconfigurá-lo, adaptá-lo ou sintonizá-lo à vontade – configura-se como o último “Palácio de Inverno” que restou para ser assaltado.

Não é surpreendente que, na era do neoliberalismo, a questão da identidade sexual seja elevada ao paradigma de toda liberdade. Este é o ponto de encontro onde todos concordam: da direita conservadora (que sempre acaba mantendo avanços progressistas) à esquerda radical-chic. Isso explica por que os gays e outras minorias sexuais se tornaram ícones do sistema, algo como a quintessência dos valores europeus ou a reserva espiritual do Ocidente.

Afinal, trata-se da “luta” por excelência: aquela que, por meio de uma cadeia de equivalências (Laclau dixit), sintetiza e absorve todas as lutas concomitantes. Uma área – a da teoria do gênero – que guarda um paradoxo tão preocupante quanto pouco percebido: a partir do momento em que o sexo é considerado uma “construção social” (cisão entre sexo e gênero), qualquer tentativa de “ancorar” o indivíduo em um determinado sexo acabará sendo considerado, potencialmente, como algo discriminatório e opressor. A indeterminação sexual – o status de fluidez e abertura máximas – eleva-se, portanto, a uma condição sine qua non da emancipação humana. O que, em uma última etapa, pode nos levar à negação do sexo; ou como a filósofa Monica Wittig exige abertamente “a destruição do sexo para ter acesso ao status de sujeito universal”. Resumindo: uma ideologia castradora. “Marxismo cultural”, dizem alguns. Verdadeiramente?

Uma patologia estadunidense

Ao explorar as origens estadunidenses do “politicamente correto”, o escritor francês François Bousquet chama a atenção para o fato de que “a economia psíquica americana parece funcionar transferindo suas patologias para o mundo inteiro, como se fosse aliviada pela exportação de suas fobias , sua paranóia, sua febre antisséptica ”. A história é antiga: da ideologia castradora dos primeiros puritanos (do verbo “purificar”, purificar) que desembarcaram na Nova Inglaterra no início do século XVII, ao politicamente correto e zelo inquisitorial dos novos vigilantes da Virtude. O viés moralista e puritano do politicamente correto – e mais especificamente, do feminismo americano – foi repetidamente sublinhado pela professora (e feminista atípica) Camille Paglia, que lembra como as sufragistas americanas eram associadas, no início do século 20, à “Liga de temperança” e sua cruzada contra o álcool. Como consequência dessa fúria puritana, a “Lei Seca” deixou, nos Estados Unidos, um legado do crime organizado cujas consequências continuam sofrendo. O dogmatismo do Bem (bondade) costuma ser uma receita garantida para o desastre.

As políticas de gênero – como um certo direito repete – são outra forma de “marxismo cultural”? Não faltam pessoas que citam o livro de Engels, “As origens da família”, como exemplo da intenção marxista de acabar com esta célula básica da sociedade. O que não responde à realidade. Engels denunciou as demandas feministas como produtos de uma sensibilidade pequeno-burguesa: a das mulheres que queriam ocupar altos cargos profissionais. Em sua visão, apenas uma perspectiva de classe, comum a homens e mulheres, permitiria a libertação de todos. Abordagem com a qual (de certa forma) Camille Paglia também concorda, ao apontar que o feminismo atual privilegia os valores e as preocupações de uma classe alta de mulheres profissionais, mulheres que se apresentam como “o mais alto desiderato, a cúspide evolutiva do humanidade ”, mas recorrendo, entretanto, à exploração sistemática das mulheres da classe trabalhadora para o cuidado dos filhos e das tarefas domésticas.

Por mais que insista na rotina mental de uma certa direita, a ideologia de gênero e o politicamente correto são dois fenômenos com raízes nítidas nos Estados Unidos. Não há nada nos textos do marxismo clássico que inevitavelmente aponte para eles. Em vez disso, é possível pensar que estamos aqui antes do neoliberalismo cultural puro e duro, não importa o quanto, em níveis retóricos, ele se adorne com sabores marxistas.

Vale a pena perguntar: todas essas formas de neoliberalismo cultural respondem a uma patologia estadunidense?

Embora a correção política às vezes pareça loucura, como no “Hamlet” de Shakespeare, “há um método nisso”. Mais do que um método, são uma lógica e uma racionalidade implacáveis. Porque o neoliberalismo, muito mais do que um conjunto de roubos econômicos, é antes de tudo uma racionalidade. Ou, como apontam os filósofos Pierre Dardot e Christian Laval, o neoliberalismo é “a nova razão para o mundo”.

Resta saber como a esquerda pós-moderna está inscrita nela.

Referências:

La era de la perplejidad. Repensar el mundo que conocíamos. Taurus/Open Mind/BBVA 2017.

Simon Springer, “Neoliberalismo y movimientos antisistema”, pp. 156–173 Obra citada.

Cédric Biagini, Guillaume Carnino, Patrick Marcolini, Radicalité. 20 penseurs vraiment critiques, pp. 7–25. Éditions L’Échapée 2013.

Cédric Biagini, Guillaume Carnino, Patrick Marcolini, Obra citada, p. 14.

Cédric Biagini, Guillaume Carnino, Patrick Marcolini, Obra citada, p. 15.

Anselm Jappe, Les aventures de la marchandise. Pour une critique de la valeur.Éditions La Découverte 2017, pp. 269–270.

Maxime Ouellet, La révolution culturelle du capital. Le capitalisme cybernétique dans la societé globale de l’information. Les Éditions Écosocieté 2016, p. 254.

Shmuel Trigano, La nouvelle idéologie dominante. Le post–modernisme. Hermann Philosophie 2012, pp. 36–37.

Francois Bousquet, “L’Autre révolution culturelle. Les nouveaux Gardes rouges du multiculturalisme”. En Éléments pour la civilisation européenne. Numéro 171 (abril–maio 2018).

Camille Paglia, Free women, free men. Sex–gender–Feminism. Canongate 2018, pp.124–125.

Frederich Engels, A origem da família e da propriedade privada. www.marxists.org.

Pierre Dardot y Christian Laval, La Nouvelle Raison du Monde. Essai sur la societé néoliberale. La Découverte 2009.

Publicado no site KontraInfo em 27.12.2020.

Deixe uma resposta