Argentina traiu a Venezuela na ONU?

O governo dos Estados Unidos destacou hoje que recebeu “com satisfação” a decisão da Argentina de votar a favor da condenação das violações dos direitos humanos na Venezuela e a aprovação da resolução do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas que convocou eleições livre para o regime de Nicolás Maduro.

Como disse ao site Infobae um porta-voz do Escritório de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado, o governo de Donald Trump ficou satisfeito com o governo de Alberto Fernández por votar contra o regime venezuelano na ONU e solicitar a prorrogação do mandato do Missão de Investigação Independente Internacional da ONU na Venezuela por dois anos.

“O amplo apoio global a esta resolução é uma condenação clara do regime ilegítimo de Maduro e suas violações dos direitos humanos”, disse o Departamento de Estado.

Ao mesmo tempo, em Washington, eles destacaram a resolução endossada pela Argentina e por outros 21 países na ONU, que clamava por eleições presidenciais e parlamentares livres, justas, transparentes e confiáveis ​​na Venezuela. “Essas condições não podem ser alcançadas enquanto o regime de Maduro mantiver seu controle ilegítimo no poder”, acrescentou o porta-voz do Departamento de Estado.

A mensagem dos Estados Unidos veio um dia depois que a Argentina endossou junto com outros 21 países uma declaração no Conselho de Direitos Humanos da ONU em que contempla os detalhes dos resultados do relatório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos liderado por Michelle Bachelet onde foram relatados casos de violações atrozes de liberdades e pessoas pelo regime de Maduro.

A Argentina votou a favor deste documento junto com 21 países como Itália, Espanha, Brasil, Austrália, Chile, Dinamarca, Alemanha, Peru, Uruguai e Coréia do Sul, entre outros. Venezuela, Eritreia e Filipinas votaram contra. E 22 estados se abstiveram, incluindo Angola, Camarões, Índia, Indonésia, México, Nepal, Nigéria e Sudão.

O documento aprovado na ONU exigia “eleições livres, justas, transparentes e credíveis” na Venezuela, rejeita “todo tipo de ingerência estrangeira no âmbito militar, de segurança ou de inteligência”, exorta todas as partes a começar “sem atrasa ”as eleições presidenciais e revela um“ estado de alerta ”para o agravamento da crise humanitária sob o regime de Maduro em meio à pandemia COVID-19.

Esta declaração foi bem recebida pela administração dos Estados Unidos. A questão da Venezuela já havia sido discutida na semana passada entre o chanceler Felipe Solá e o embaixador dos Estados Unidos, Edward Prado, em um almoço em que também discutiram as relações bilaterais.

O embaixador dos Estados Unidos destacou em comunicado, após essa reunião, que os Estados Unidos refletem a posição do Grupo de Contato, do qual a Argentina faz parte, de que não há condições para eleições livres, transparentes ou credíveis na Venezuela devido às imposições do regime de Nicolás Maduro.

Além disso, Prado compartilhou com Solá sua preocupação com as violações dos direitos humanos e a importância de apoiar a missão das Nações Unidas liderada por Michelle Bachelet.

A mensagem dos Estados Unidos em apoio ao voto da Argentina na ONU chega em um momento de tensão na frente de oposição, onde o núcleo duro do kirchnerismo questionava duramente a posição de Alberto Fernández.

Com a clara intenção de esclarecer dúvidas ou acalmar os ânimos acalorados no kirchnerismo, o chanceler Solá expressou hoje em sua conta no Twitter que “ninguém deve se confundir, o governo sempre manteve a mesma posição em relação à Venezuela. Queremos ajudar os venezuelanos a ter o pleno funcionamento de suas instituições sem interferências externas, sanções ou punições unilaterais ”.

Por Martin Dinatale/ Trad. Arthur Kowarski

Publicado no site Infobae em 07.10.2020

Deixe uma resposta